Especial: Os vinte anos de Pokémon e eu

sábado 27 de fevereiro de 2016, por Flavio Kiba
top

Já fazem vinte anos! Poxa, é difícil falar de algo que molda nossas vidas, mas resolvi tentar, afinal, não é todo dia que comemoramos o vigésimo aniversário de uma franquia.

Conheci Pokémon como a maioria dos brasileiros, através do desenho animado no programa da Eliana logo que ele começou a ser exibido. Um pouco tarde para muita gente, é verdade, mas no momento perfeito para mim. Confesso que não gostei muito no início porque meu irmão adorava, aquela rivalidade de irmãos mesmo.

Com o tempo, dei uma chance e, desde então, tudo foi diferente. Comecei a gostar da série de uma forma que não mudou nem um pouco até hoje. Quer dizer, eu não sei como seria se continuasse a não gostar da série, mas tenho certeza que não estaria vivendo da forma.

img1

A primeira experiência de quase todo mundo é o anime, já estou até viciando meu afilhado nisso

.

Me lembro muito bem das revistas que comprei com imagens de todos os monstrinhos. Na falta de brinquedos da série (caros, escassos e fora da minha realidade social da época), comecei a desenhar em papel sulfite, pintar e recortar todos eles. Eu e meu irmão fazíamos uma verdadeira linha de produção para depois podermos brincar.

Depois do anime vieram os jogos, através de um disquete no computador de casa. Era pirataria, eu sei, mas na época meus olhos brilharam, pois era algo incrível e totalmente novo para mim. Eu nem imaginava o que era um Game Boy! Nunca vou esquecer da sensação que foi jogar Pokémon Yellow pela primeira vez com o Pikachu me seguindo ou como foi testar a versão Gold em japonês mesmo e não conseguir passar nem da primeira parte do jogo. Eu nunca havia me interessado por videogame antes disso, mas foi o suficiente para começar.

img2

 Os jogos fazem parte da minha rotina até hoje, inclusive, já baixei Pokémon Yellow para o 3DS

.

A Internet chegou na minha casa e pude conhecer melhor o que era a série, sua importância e meio que foi por isso que comecei a produzir conteúdo, pois haviam poucos sites com informações interessantes. Se hoje eu escrevo igual um condenado e edito podcasts, é porque eu decidi pesquisar sobre aquele desenho animado da Eliana na infância, olha que maluquice!

Não só isso, meus amigos também vieram através dele. Foi por causa dos monstros de bolso que comecei a me interessar por outros animes e por eventos do meio otaku e geek. Me lembro que viciei metade dos meus amigos em Pokémon TCG durante um tempo e gosto de me vangloriar que, de certa forma, isso nos uniu e nos deixou mais próximos.

img3

 Quem não conhece as cartinhas de Pokémon, não sabe o que é colecionar sem responsabilidade

.

Se hoje eu vivo desse jeito, se tenho meus amigos atuais e se cheguei onde estou na vida pessoal e até profissional, posso dizer que essa série foi a responsável, pois se não fosse isso, provavelmente tudo teria sido muito diferente e não sei se estaria tão contente quanto estou hoje ao escrever este texto.

É mais do que uma simples franquia para mim. É a responsável por moldar meu caráter, por formar minha personalidade e até hoje me motiva dizendo que o esforço e o trabalho duro são a chave para o sucesso. Afinal, quem nunca sonhou em ser um mestre Pokémon?

Que a franquia se estenda por mais vinte anos, com muitos jogos, muitas gerações, muitas histórias e personagens incríveis e ajudando muita gente a escolher seus caminhos. Pokémon é vida!

Pokemon-20-747x309

Compartilhe:

Categorias: Coluna do Kiba, Editorial

Comentários

Comentários

  • Gabriel silva

    Melhor franquia S2